Sobre

“O Areia Hostil foi um importante prozine (revista independente com postura profissional) de histórias em quadrinhos nacionais editado por Lorde Lobo, entre os anos de 2001 e 2006, tendo sido publicados 15 números.
Tendo iniciando de forma bastante simples, publicando apenas artistas da cidade do Rio Grande / RS, a produção foi, aos poucos, ganhando mais e mais espaço e, em pouco tempo, contava com colaboradores de vários cantos do Brasil. Nas primeiras edições, a capa já era colorida, mas por meio de serigrafia. Só na edição número 12 é que o título passou a contar com uma capa impressa em offset.
Apesar do relativo sucesso, ao chegar na 15ª edição, mais nenhum outro número foi lançado, para a tristeza de muitos leitores e, principalmente, de diversos quadrinhistas independentes, que enxergavam as páginas da Areia Hostil como uma ótima vitrine para os seus trabalhos.” (…)

Lorde Lobo – Editor

Mais informações…

Muitas pessoas nos perguntam o porquê do nome da nossa revista ser “Areia Hostil” então, aqui vai a resposta:

Lá no final de 2000, eu e o Law acabávamos de ministrar as aulas das primeiras duas turmas do curso Top Comics de histórias em quadrinhos. Então pensamos: “Para que ensinar esse pessoal a fazer HQs se eles não terão onde publicar?”.

A solução encontrada foi a de criar um fanzine onde os alunos que mais se destacassem pudessem publicar suas histórias. O problema agora era encontrar um nome pra publicação. Pensamos inicialmente em batizar também de Top Comics, mas logo abandonamos essa idéia, já que na época o nome do nosso estúdio também era esse e, assim teríamos um estúdio, um curso e um fanzine com o mesmo nome… Passamos então a pensar em algo diferente e que, ao mesmo tempo tivesse uma pronúncia de peso, algo tipo “Heavy Metal”, mas que não fosse em inglês (até o nome Top Comics já estava nos incomodando um pouco). Primeiro buscamos por um nome nacional, depois regional e finalmente chegamos a um título bastante bairrista, mas que ao mesmo tempo, é capaz de soar legal em qualquer lugar do país: Areia Hostil !

O título Areia Hostil vem então do primeiro verso do hino* de nossa querida cidade do Rio Grande, no Rio Grande do Sul (conheça um pouco a cidade por aqui)! Acabamos gostando tanto desse título que até resolvemos tornar o nosso estúdio homônimo à revista.

Hino da Cidade do Rio Grande

Letra: Frederico Carlos de Andrade

Música:
José Faine

Sobre a areia, sempre hostil

à semente, ao fruto, à flor

tu, num ingente labor

mais louros dando ao Brasil,

te ergueste, simples, mas boa

provocando em toda a gente

dos aplausos o mais quente

e a mais impulsiva loa.

Terra de Tamandaré,

Porto Alegre, Netto e Dias,

Tens valor, tens rija fá,

tens fecundas energias ( 2 vezes )

Sempre entregue ao teu afã,

sempre afeita ao teu dever,

tiveste a sorte, o prazer,

de dar vida suave e sã

ao povo bom, cuja história

se alindou bem no teu seio,

esse farto e puro veio

de tudo o que importa em glória.

Terra de Tamandaré,

Porto Alegra, Netto e Dias,

Tens valor, tens rija fá,

tens fecundas energias ( 2 vezes )

Seja sempre o teu porvir

todo paz, e luz, e amor,

sem que lhe falte o calor

que nas almas faz surgir

afeto ardente ao Direito

aos preceitos da Igualdade

aos ditames da Verdade

e de tudo o que é perfeito.

Terra de Tamandaré,

Porto Alegra, Netto e Dias,

Tens valor, tens rija fá,

tens fecundas energias ( 2 vezes )

( * ) O hino da cidade do Rio Grande foi oficializado pela
lei municipal nº 2.499, de 24 de agosto de 1971.